Traição feminina: saiba os motivos

Por Liliane Rose Christ, no site Doutíssima com comentário do Dr. Gerson Lopes.

Há algumas décadas, a traição feminina era explicada, na maioria das vezes, por envolvimento emocional, carência afetiva e paixão. Somente o sentimento justificava a atitude da mulher comprometida que caía nos braços de outro.

Hoje, o cenário parece ser outro. As mulheres traem pelos mesmos motivos que os homens, uma forma de sair da rotina, sem querer romance ou apenas carinho e atenção.

 Elas querem viver novas experiências sexuais, se sentirem desejadas e também não querem relações extraconjugais fixas. Uma transa de uma noite pode ser mais do que suficiente. E muitas delas já não se sentem culpadas no dia seguinte.

Oh no, he is cheating me!

Para o médico sexólogo Gérson Lopes, atualmente, o “placar da traição” está quase empatado. “Talvez, 60% homens e 40% mulheres ou 55% a 45%. Em minha opinião, a traição feminina está tão frequente quanto a masculina”, afirma.

Lopes considera ainda que as mulheres fazem a separação sexo-prazer de sexo-amor de maneira muito mais tranquila do que os homens.

 O que motiva a traição feminina

Na opinião do especialista, um relacionamento muito bom não é certificado de garantia de que  atraição feminina não vá acontecer. “Podemos enumerar outras causas: fuga da monotonia sexual, vontade de viver um romance e necessidade de experimentar um desejo sexual”, exemplifica.

 Alguns episódios de traição feminina estão ligados à grande liberdade que a mulher tem hoje para estar só e aberta a momentos de intimidade novos. Carros e motéis, além de outras facilitações ambientais motivam a traição, segundo Lopes.

 Do mesmo modo que as mulheres já traem com menos culpa, aumentam os casos de homens atormentados pelo próprio fantasma ao traírem suas parceiras. O sexólogo relata perceber que elas sentem mais culpa ao serem infiéis. Diz que cada vez mais atende homens com peso na consciência depois de traírem.

Fato recorrente, segundo o especialista é que, mesmo demonstrando arrependimento, elesculpam as parceiras pela traição que cometem. Elas, por sua vez, tendem a aceitar esta culpa, sustenta o sexólogo.

 Reconstrução após a traição feminina

Aceitar a culpa e não sofrer demasiadamente por isso depois da traição pode ser um exercício doloroso de superação, mas necessário. E, depois disso, explica Lopes, é preciso fazer uma escolha: deixar o caso paralelo ou acabar com o relacionamento com o parceiro.

 Ter outra pessoa durante um relacionamento já existente e consolidado, independentemente se é uma traição feminina ou masculina, exige maturidade diante das escolhas. “Decidir qual caminho seguir e como trilhar é parte importante durante um relacionamento extraconjugal”, diz Lopes

 Por fim, quando o assunto é maturidade, o especialista aponta as mulheres como mais assertivas.

 “Escolher o que perder, o amante ou o esposo, para não perder o que não escolheu (ninguém escolhe ser infeliz ou angustiado) é fundamental no caminho a ser trilhado. É possível ser amado por duas pessoas ao mesmo tempo, mas é quase impossível amar duas ao mesmo tempo”, afirma.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s