Champanhe

Não há outro vinho que tenha tanto caráter festivo quanto o champanhe. Seu nome está ligado a momentos de alegria, amizade e felicidade. O artigo visa mostrar como ele é feito e como se deve servi-lo, de modo a aproveitar o máximo que essa bebida mágica pode propiciar.

De maneira sucinta, podemos relatar a vinificação (elaboração) do champanhe da seguinte maneira:

1. A um vinho base elaborado quase totalmente em cubas de inox (em carvalho só os de grande guarda, e são raros) acrescenta-se licor de ‘tirage’ (açúcar leveduras sal de amônia betonite) e, a seguir, tem-se o engarrafamento (ainda não definitivo com tampinha tipo de cerveja).

2.  Pela refermentação (a segunda) na garrafa, obtêm-se mais álcool e CO² (gás carbônico).

3. As garrafas são colocadas sobre as ‘lies’ para a maturação, que, na região de Champagne, é no mínimo de 12 meses, período em que ocorrem autólises e formação de substâncias aromáticas.

4. Para retirar as leveduras, coloca-se então a garrafa de cabeça para baixo sobre cavaletes, o que faz com que elas se desloquem do fundo para o gargalo, facilitando o processo.

5. As garrafas são, em seguida, deslocadas ainda invertidas, e com cápsulas que as vedam para um banho de água salgada muito fria que gela o gargalo e o seu conteúdo, permitindo que o depósito se liberte como uma bolinha gelada quando a garrafa é posta na vertical e destampada. É o que chamamos de dégorgement.

6. Perde-se neste processo um pouco de líquido; por isso, antes que se coloque a rolha definitiva, acrescenta-se um pouco de licor de expedição (açúcar/xarope destilado de vinho mosto fresco vinho envelhecido).

7. É neste momento que se decide qual o tipo de champanhe que será feito. De acordo com a quantidade de açúcar residual expressado em gramas por litro, o champanhe é classificado como: brut nature ou zéro (não leva licor de expedição), extra-brut, brut (a grande maioria), extra-dry, sec, demi-sec e doux.

Tudo que envolve o mundo da degustação – abertura da garrafa, decantação quando necessária, copos ou taças, temperatura ideal, conservação e dicas de harmonização com a comida – denominamos de serviço do vinho. Seguem dicas a esse respeito:

• Abertura da garrafa – nada de produzir o estouro característico de algumas ocasiões. Isso pode afetar o aroma e sabor, com perda grande e abrupta de CO².

• Quantidade na taça – servir em pequenas doses, com a bebida ocupando no máximo dois terços da capacidade da taça.

• Tipo de taça – utilizar flûtes de cristal (taças com bordas estreitas, tipo ‘flauta’), pois favorecem a persistência do pérlage (bolhinhas que sobem). Segurá-la sempre pelo pé ou base, pois segurando a taça pelo seu corpo pode-se engordurá-la, dificultando sua a maravilhosa visão, e também aumentar a temperatura do champanhe além do desejável.

• Temperatura  – é bom apresentá-lo em torno de 6 graus, de modo que, ao ser apreciado, esteja mais próximo dos 8 graus ideais. Nos grandes champanhes, millésimes ou safrados (com ano de colheita), pode-se subir 2 a 4 graus. Lembre-se que ao colocá-lo na taça sua temperatura sobe daí a necessidade de temperatura de serviço dois graus a menos. Balde de gelo e água para resfriá-lo é o ideal, sabendo que a cada 8 minutos há uma queda de 5 graus. Cuidado em não gelá-lo demais. Na geladeira, o obtido acima equivaleria uma hora, e caso o champanhe fique muito tempo na geladeira, pode existir dificuldades na extração da rolha.

• Armazenagem – guardar só os safrados ou um grande cuvée. Em safras boas, e sendo grande, pode-se esquecê-lo por décadas, desde que as condições de armazenamento sejam adequadas.

• Harmonização – do aperitivo à sobremesa (demi-sec ou doux), a qualquer hora, tudo vai bem com o mais cosmopolita e festejado dos vinhos. Os franceses dizem que só duas coisas não combinam com champanhe: chocolate e frutas ácidas. Podemos dizer que há champanhes de aperitivo, mesa (gastronômicos, mais estruturados) e os de meditação (tocam nosso coração).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s